Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos

A SÁBIA AMANTE E O IGNORANTE AMADO

Damião Cavalcanti

A sábia entendia sua ignorância,
Via em seu corpo tanta beleza,
Do saber dela a tolerância,
Dos seus carinhos tanta destreza.

Ela calava sabedorias,
Mas, nela pairava filosofar.
Enquanto o belo dela se ria,
Dele apenas o prazer de amar.

Tudo se ia num simples gesto,
Satisfação do saber gozar.
Reflexiva ela mira o teto
Para, além do quarto, querer pensar.

Enquanto o desejo forte retorna,
Duas vontades se juntam intensas.
Ela pensa tudo e nada diz,
Ele diz tudo e nada pensa...


LA SABIA AMANTE Y EL IGNORANTE AMADO

La sabia entendía su ignorancia,
Veía en su cuerpo tanta belleza,
El saber de ella tenía tolerancia,
Y el cariño de él tanta destreza.

Ella callaba sabidurías,
Pero, en ella preponderaba filosofar.
Mientras el bello de ella se reía,
Quería sólo el placer de amar.

Todo estaba en un simple gesto,
Satisfacción silenciosa el saber gozar.
Reflexiva ella mirando el techo
Pues no podía evitar pensar.

Mientras el deseo fuerte retorna,
Dos ganas se juntan intensas.
Ella piensa todo y nada dice,
Él dice todo y nada piensa...
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 22/02/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php