Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos

            APRENDER DENTRO E FORA DE SI
       

       “
Ai, mísera de mim, ter visto o que já vi, ver o que vejo agora...” verseja Shakespeare, no III ato de Hamlet. Continuarei vendo, livrando-me das viseiras de qualquer janela que impeça a evidência do que vier a se manifestar.  Para mim, Maurice Merleau-Ponty tornou-se famoso por aconselhar a vermos o mundo, aprendendo e reaprendendo com ele. Muitas filosofias assim o fizeram, depois que seus pensadores experimentaram que o mundo é uma escola, proporcionando-nos oportunidades de comparação. E como comparar sem termos diante de nós coisas diferentes? As diferenças só se encontram no mundo e não apenas no interior das nossas casas, que também pertencem ao mundo. Do contrário, se tudo fosse igual, tudo conheceríamos, mas pouco saberíamos. O saber se alcança no distinguir uma coisa da outra e diferençar aspectos e características numa só coisa. Por tal razão, Salomão, no esplendor da sua sabedoria, pediu a Deus mais sabedoria, o que ele próprio disse consistir tão somente numa palavra: discernimento.
     
 Para reaprender com o mundo, Merleau-Ponty aponta o caminho da busca, do desejo pelas descobertas e conhecimento das coisas e dos fatos. É nesta visão que também se aprende uma prodigiosa maneira de ver além de uma janela, do fácil, do imediato, do horizonte costumeiro, da visão superficial; de aumentar, pela vontade de descobrir e redescobrir, a capacidade de ver, descobrindo o novo, sem perder de vista o antigo.
      Oprincipal para se reeducar o olhar desse mundo é o de começarmos por nós mesmos, pela introspecção, olhar-se pelo avesso, de fora para dentro.  Não se trata, portanto, de procurar somente realidades distantes de nós mesmos, aliás todas elas pertencentes a esse mundo.   Neste sentido, a introspecção nos leva a experimentarmos uma aventura “em mares nunca dantes navegados” de águas mais profundas, o que nos propicia aprendizagem e reaprendizagem da compreensão do mundo e da nossa existência dentro dele. Nada pior do que nele existir com a sensação de um universo desconhecido, sem enxergar o mundo, tão perto dos nossos olhos.  Ver bem “o que já vi e o que vejo agora” é convencer-se, por Merleau-Ponty, de que “a verdadeira filosofia é reaprender a ver o mundo”.

         

Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 30/03/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php