Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


A BELA E TRISTE CLARICE

Na semana passada, Fabrizzio informou aos amigos o que toda rua sabia: a mãe se foi embora com o melhor amigo do pai. Disse ele que, em casa, ninguém entendeu o porquê. O pai tem acima de sessenta anos e, durante toda vida, tratou a companheira com muita fidalguia. Ultimamente, vinha misteriosamente calado, abria a boca apenas para continuar demonstrando ser uma pessoa educada: “ - Bom dia! - Com licença!- Perdão! – Boa noite! Até amanhã!” Fora lembrar a injeção da diabetes, pouco incomodava Bentinha. “- Tem um apetite de cavalo”, era sempre o que ela repetia sobre o marido, jamais cansando de reclamar-lhe as “extravagâncias” e que, um dia, ele morreria por não tê-la escutado. O pai parecia não saber o que estava ouvindo e repetia como imitasse uma ladainha: “Extravagância! Extravagância!“ Sua irmã Clarice via naquela repetição uma velada crítica do pai à cantilena que escutava da mulher. Contudo também não sabia explicar porque ela fora embora e mais com aquele que demonstrava especiais atenções à sua família.
Por que ir embora? Às vezes em que se demonstrava zangada com alguém de casa, verbalizava cuidados com a saúde de todos, o que não deixava de ser queixa de mãe e, se ao filho Fabrizzio, dirigia-se com feições de ternura. Com esmero, escondia do marido tudo o que era doce. Esses gestos não agradavam a ele, que, em silêncio, resmungava perda de liberdade. Mas, os filhos achavam que fazia parte dos cuidados que ela dedicava à família. Afinal de contas, nunca deixou de ordenar que a casa estivesse permanentemente varrida; a mesa forrada, sempre preparada às refeições. Uma vida pacata, de rotina. Mas, que desgosto teria acontecido à Bentinha? “- Nunca um de nós a viu chorar.” Apenas se desconfiava do modo demorado com que olhava a rua, debruçada à janela, horas e horas, fitando a mesma coisa, pensativa como visse outro mundo.
Fabrizzio comentou que tanto o pai como a mãe não se manifestavam afeitos à troca de carinhos. Viviam em paz, como irmãos que moram sob o mesmo teto, parecendo levar uma vida feliz. Aqui e acolá, escutava algumas insinuações sobre o esquisito comportamento da mãe à janela. A irmã pedia que se calasse, que aquilo não passava de boatos sem fundamento, de gente que, por natureza, gostava de inventar histórias, incomodando-se com a felicidade alheia. Clarice assumiu o lugar de dona de casa, inclusive o costume de debruçar-se todas as tardes à janela, à espreita do namorado, pousando numa das suas bicicletas Monark ou Bristol. E também, como ela confessava a Fabrizzio, não cansava de aguardar o retorno da mãe: “Assim como foi, voltará. Voltará... nem levou consigo o gato que tanto amava”.
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 11/04/2010
Alterado em 05/12/2010

Música: Diamante - Classical

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php