Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                                   ANIVERSÁRIO DA VIDA
          

          De tudo que tem vida, só o homem conta o tempo e reconta-o em aniversários. Disso muito nos tem falado a imprensa: notas de aniversários de morte; falecimentos de sete, trinta e sessenta dias; de um, três, cinco e até de cem anos, quando são mortes de pessoas consideradas ilustres da sociedade; convites à missa pela alma do morto. Assusta-me como, a cada dia, cresce o número dessas notícias sobre gente conhecida e contemporânea... Quando notas de falecimento, causam desagradável surpresa; quando sobre aniversários de morte, saudades e tristezas. Em algumas delas, a frase latina “in memoriam”, geralmente escrita errada: “in memorian”, o que tanto se lê em convites de casamento. Talvez, alguém a escreveu incorretamente e, assim, é divulgada, inglesando-se imortais latinistas, como Virgílio, Ovídio e Horácio.  Uma lição tiro do episódio: língua, até morta, na boca do povo se torna viva.
          O mês de abril, a começar pela filha Rachel, é para minha família sobejamente um mês de aniversários: sábado dezessete, comemoramos o da minha mãe Lia; quatro dias depois, do meu irmão Marcelo; o meu fica quatro dias após este. Graça a Deus, são aniversários festejados da vida. O meu é no mesmo dia 24 de abril, do inesquecível amigo Francisco Pereira Nóbrega, que escrevia, neste espaço, belíssimas crônicas.  Comemoro essa data de maneira peculiar: vou a Pilar e, na Rua José Lins do Rego, em frente ao Mercado, entro para minha primeira casa e visito o quarto, onde nasci pelas mãos da parteira Dona Angelina.  Sem tomar o chá do Santo Daime, retorno aos meus primeiros instantes de vida, ao ver e acariciar as grossas paredes de taipa; acredito que “paredes têm ouvido”, supondo terem escutado meus primeiros choros e o balbucio das minhas primeiras palavras; penso até que elas sentem meu afago; miro o velho teto que recebeu meus primeiros sorrisos. Faz-me bem caminhar ao inverso do quotidiano, como cantamos no antológico Riacho do Navio de Zé Dantas - Luiz Gonzaga, nadando contra as águas, do mar em direção ao rio e, nesse desafio, retornando à fonte, à origem.
          Este é aniversário da vida que não deixa de lembrar aniversários dos que já se foram, como o meu pai Inácio, e que um dia também iremos.  Paredes da velha casa me emocionam, fazem-me escrever versos: Em cada minuto de vida,/ eu morro um segundo./ Em cada segundo de morte, /parto deste mundo, /da mais viva idade / à infinda eternidade./ Em cada passo da ida,/ caminho tanta alegria,/ destino repleto de sorte,/ passos e passos da vida,/ inevitável estrada da morte. Talvez tudo se repita, embora ironize Sofocleto: “Os aniversários são o aluguel que pagamos pela vida” ou, digo eu, festa para lembrar o que passou e comemorar o que resta a passar.
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 30/04/2010
Alterado em 11/07/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php