Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


 
                  De São João a São Pedro
  
   Os
saudosistas estranham como diminuem os costumes das suas tradicionais festas, o que os envelhece, sem merecerem tal desaparição. Já ficamos à espera de que toquem Luiz Gonzaga, Flávio José, Dominguinhos, Antônio Barros e Cecéu, Waldonys, Targino Gondim, Pinto do Acordeom, Sussa de Monteiro ou Clã Brasil. Também sucessos do Forró Fest, que cultiva a autêntica música paraibana, distinguindo-a da baiana, do “reggae maranhense”, da “sertaneja” dos gaúchos e goianos ou do próprio samba.
  Até os amantes do silêncio apreciam o barulho dos fogos, a gritaria das crianças soltando traques, estrelinhas, bombas chilenas ou chuveiros; como Roosevelt Vita, divertem-se com o espanto causado pelas estrondosas bombas de cordão; fogos que dão luz e cores aos festejos juninos. As comidas e a fogueira caracterizam São João e São Pedro como festas sazonais: período de frio, de chuva e de muito milho verde. Quando menino, ficava à espreita das lagartas verdes e das bonecas nas espigas, separando o milho para assar ou cozinhar. No moinho, passava-se o da pamonha e o de um alguidar de canjica, servida em pratos enfeitados de canela em pó. Brincávamos com castelos, torres e currais de sabugos cujos pedaços eram gado a comer grãos de milho caídos no chão. Na Una, Tia Dinalva preparava, como ninguém, bolo de milho, de mandioca, de macaxeira, pé de moleque, bolinhas cambará e castanhas torradas na lata de querosene, ao lado da fogueira.
   A festa junina, aos poucos, mudou-se do campo para a cidade. Mas, é do mundo rural a originalidade da sua graça matuta: quadrilha, bandeiras e lanternas! Onde, na boca da noite, o céu, limpo e estrelado, realça as labaredas da lenha amontoada em fogo. No terreiro, dá-se vez às crendices e adivinhações: pés, engrossados pelos espinhos e pedregulhos do roçado, caminham, reforçando a fé, sobre brasas da fogueira; as moças cravam a faca virgem na bananeira para ler, noutro dia, na lâmina, a letra inicial do pretenso namorado; põem clara de ovo no copo, com água pela metade, para se ver, no fundo, uma igreja anunciando casamento, ou um cemitério, tristeza; pingam cera de vela, no prato fundo com água, para formar a inicial do príncipe encantado. Duvidar dessas crendices não desinteressa ninguém pelos seus resultados. Torço que esses ricos valores culturais passem às jovens gerações. Nada substitui o que o povo sabe criar, quando realiza sua genuína cultura.

www.drc.recantodasletras.com.br

Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 10/06/2010
Alterado em 19/06/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php