Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                 A Política, na Praça de Táxi
           
          
Já vi de tudo e ainda escutei outro tanto. Ouvi um taxista, escolhendo um candidato, justificando o seu voto: - “Tinha um carro como o meu e bateu o motor. Ele precisa... Os outros candidatos já ganharam a vida; ele não quer tudo do que receber, dará um pedaço à nossa igreja”. Barbeiros e taxistas são bons conversadores, fazem de sua “praça” uma ágora. Assim, logo, um deles retrucou: - “É melhor ele já ter dinheiro para não furtar do da gente”. Comecei a pensar como a arte de fazer política se desvirtuou, deixando de ser um serviço que se presta à comunidade ou à sociedade para se tornar uma “profissão” de interesses particulares, como dizia, nos seus Cadernos, Henri Montherlant (França,1896): “A política é a arte de se servir das pessoas” e não às pessoas...
        
 Por princípio, político não deveria receber salário, apenas um pró-labore, enquanto desligado da sua profissão a serviço do povo. Mas, continuou justificando: “Ele é honesto, dos muitos que conheço”. Diante de tantas desonestidades, mentiras, traições e incoerências, de repente, candidato é aquele considerado honesto. Tentei perguntar se aquele candidato “necessitado” se enquadrava também dentro de um perfil mais adequado às finalidades a que se propunha; que, além de honesto, demonstrasse ser competente, trabalhador e que, sobretudo, tivesse espírito público; ainda que a honestidade consigo e com os outros fosse dever de todos os cidadãos, candidatos ou eleitores. Escutaram-me. Um que se mantinha, sentado, com a porta semiaberta do seu carro, quebrou o silêncio: “- Isso é besteira!”.
         
Convencido de que tinha perdido o meu latim, lembrei-me do “Commentariorum Petitionis” (Manual do candidato às eleições) do político, orador e escritor romano Marco Túlio Cícero (106 – 43 a.C), que versa sobre esses assuntos, de  hoje, do meio da rua e de como ser candidato. E, lá, não encontrei que o conceito de exercer cargos públicos, servir a “polis” ou ser político, advenha puramente da noção de ser honesto. Porém, nos escritos de Cícero, o candidato se vestia de uma túnica alva, branca, limpa, sem manchas, que simbolizava candidatura. Farda ebúrnea e pura que também realçava a candura do candidato, distinguindo-o dentre os demais cidadãos honestos. Voltei à roda de taxistas e encerrei a minha participação no bate-papo: -“Desonesto, jamais! Mas, ser honesto não basta, é preciso que o candidato seja também competente, trabalhador, experiente; de conduta coerente com os princípios éticos e morais da sociedade. E que, depois de eleito, demonstre interesse em continuar desse jeito”. Sem concordar nem discordar, voltaram ao silêncio. Olhei o relógio e fui cuidar da minha vida.
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 01/11/2010
Alterado em 02/11/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php