Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos





AMORES NÃO DITOS

Sepultaram assim
Seus restos mortais,
Cheia de morte,
Cheia de flores,
Cheiro de flores,
Vindas do campo.
No meio das flores,
Sorrisos e lágrimas,
Cochichos e falas,
Dos amados amantes,
Que a fizeram feliz.
Trouxeram também
Sua ama Joaquina,
Que, saindo de casa,
Se fez meretriz.
Cheia de morte,
Partiu para sempre
A querida Dolores,
Carregando as flores,
Colhidas no campo,
Um terço entre os dedos,
Contou sempre neles
Seus vividos amores.
Não ofendendo a ninguém,
Guardou seus segredos,
Sofreu o silêncio
Desse seu desvelo
De amar doze amores.
Morreu entre nós
Mais uma Dolores.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 27/12/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php