Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                           Cesário Alvim, 27
       
       Há lembranças que incomodam, mesmo que prazerosas. Não é porque nos emocionam e nos enchem de lágrimas, molhando olhos, lavando tristes ou alegres faces, até em momentos inconvenientes, fazendo chorar homens que pretendem demonstrar resistência e dureza na queda e findam reconhecendo que chorar é uma das grandezas humanas e que lágrimas são preciosas gotas, frutos do sentimento. Há recordações que incomodam porque são insistentes, chegam sem avisar, saem furtivamente, de repente retornam, dia e noite, como quem desejasse, a certeza, na escrita, de que nunca serão esquecidas.
       Assim eram as memórias da casa 27 e das outras que formaram a Rua Cesário Alvim da infância de Abelardo Jurema Filho e da dos seus irmãos, agraciados, na dedicação da obra pelo autor: Oswaldo, Maria Amália, Elizabeth, Nara, Vanita, Rosalinda e João Luiz, e sua querida mãe D.Vaninha. Todos conviveram nessa inesquecível rua, nessa amada casa, unindo-os mais do que já eram. União crescida na hora do sofrimento da anunciada perda, quando o Ministro Abelardo Jurema ouvia pelo rádio e lia pelos jornais um dos maiores golpes da sua vida: o esvaecimento do seu entusiasmo político e a perda da liberdade para si e para todos os brasileiros, dos quais estava a serviço. Expressivos fatos são relatados no livro de Abelardo, como o do “bullying” na escola por motivos ideológicos lacerdistas e, quando o autor, menino, prova do que é a sociedade humana de Balzac: D. Ione, mãe das suas melhores amizades, comanda insultos e vaia a família, que já fora da casa 27, atônita como um pássaro expulso do ninho, ensaiava os primeiros passos por uma discreta estrada mais segura do que o próprio lar. 
       Essas lembranças, vez ou outra, vinham em pedaços, em notas da sua coluna ou, ultimamente, em crônicas, mas Abelardo livrou-se da incômoda cobrança das lembranças e, definitivamente, transformou a vontade dessas reminiscências de serem livro, evitando que a memória não escrita se igualasse às palavras do provérbio “verba volant” ou “as palavras voam”. As lembranças ficam, mas, com o tempo, devêm reminiscências que, assustadas pelas amnésias da vida, também batem asas. Nas “histórias do filho de um exilado”, como assim se fizeram a Ilíada e a Odisseia em Homero, levando a longes terras e trazendo de longes mares Ulisses, o degredo e a repatriação do Ministro Abelardo relembram, nos espaço e tempo telúricos, histórias que continuam vivas. 
       O exílio é o sofrimento de uma chama que não termina nem quando queima nem quando se apaga. E, enquanto queima , o exilado envia recado à pátria pelo vento, como o da “canção do exílio”, na Ópera Nabuco, de Verdi: “Vá, pensamento, nas asas douradas; / Vá, pousa-te nas encostas, nas colinas, / Onde se respiram livres e suaves / As doces auras do solo natal”, ou por aqui, como poetisa Gonçalves Dias, “... onde canta o sabiá...” porque  “...As aves que aqui gorjeiam, / Não gorjeiam como lá”.   
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 17/02/2011
Alterado em 18/02/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php