Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


            A pena de morte não vale a pena
       
       Li, no jornal Correio da Paraíba, ao lado da notícia sobre o Projeto de Lei para reajustar o Imposto de Renda, que Pat Quinn, Governador de Illinois, nos Estados Unidos, aboliu a pena de morte naquele Estado e também comutou para prisão perpétua os quinze sentenciados que esperavam seu dia no corredor da morte. Esta reviravolta, na Justiça norte-americana,  foi apressada pelo ex- Governador George Ryan que impôs “uma moratória por causa do temor de que pessoas inocentes pudessem ser executadas”.  Na história da pena máxima das máximas, muitos inocentes e indefesos foram executados.  A discreta notícia, na página A8 do dia 10 passado, não chamou a atenção que merece o assunto, nem mesmo daqueles que são contra o aborto e “em defesa da vida”, calados que são contra matar, embora de modo legal, a vida nascida, crescida, vivida, adulta, apenas porque é acusada de crime contra a vida. 
       A pena de morte é matar quem matou. No entanto, muitos ainda são executados por motivos religiosos, morais e políticos. Matam-se “legalmente” inocentes.  O envenenamento de Sócrates, a crucificação de Jesus Cristo, Joana d’Arc, Thomas More, Frei Caneca, Tiradentes e os mártires da Conspiração dos Alfaiates, os queimados nas fogueiras da Inquisição não serviram de lição. Conclui-se que, ao se dar a alguém o poder de matar, matarão também por interesses próprios ou por razões políticas e ideológicas.  Assim fizeram reis, imperadores, ditadores, como Henrique VIII da Inglaterra e os entusiastas da Revolução Francesa com a guilhotina decepando cabeças. Lembremo-nos da condenação dos anarquistas, imigrantes italianos, Sacco e Vanzetti, apesar dos apelos a Washington liderados pelo Papa Pio IX;  do caso Rosenberg, socialistas Ethel e Julius, acusados de espionagem soviética. E, exatamente nos Estados Unidos, todos considerados “julgamentos legais”.  “Legais”, mas incorretos e injustos. A pena de morte, depois de aplicada, mesmo injusta, não se comuta. 
       Daí, ser uma das premissas contra a pena de morte: “nenhum homem pode tirar a vida do outro, só Aquele que a vida nos deu”. Quando o Estado mata, torna-se incoerente, contradizendo o princípio de que ninguém pode matar, nem os assassinos do dia a dia, nem, sem “julgamentos legais”, os improvisados linchamentos.  Além do mais, os fervorosos em prol da pena de morte contra-argumentam apenas emocionalmente: “Fala assim porque não é seu filho o assassinado...” Ora, também, se algum dos nossos filhos fosse condenado à pena capital não seria por isso que deveríamos ser contra a pena de morte...  Descartando a avara diatribe de que “o preso custa caro”, punir com a morte não inibe o crime, assim comprovam as estatísticas. Também há outras formas de puni-lo, porque morto não sofre punição. E, por fim, não se confunda a justiça com a vingança. A justiça é um ato de equilíbrio; a vingança, de desequilíbrio.  A vingança visa ao mal de alguém; a justiça, ao bem de todos.
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 18/03/2011
Alterado em 18/03/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php