Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                       Da Imortalidade Acadêmica

      
A imortalidade que a Academia concede decorre, antes de tudo, do compromisso dos empossados invocarem os seus antecessores. É também assim que eles renascem, tornando-se imortais, paradoxalmente, à medida que passam os centenários da sua morte, o que também poderá ser tempos somados ao esquecimento, se obras e valores da pessoa imortalizada não motivarem citações e alimentarem essas lembranças. Invocações ou lembranças, por muitos e durante o tempo em que deveriam fazê-las, raras, daí caras, mas necessárias à desejada imortalidade.  Mas que imortalidade é esta que só cresce e tem vida, talvez, depois da morte?  Neste sentido, a inveja dos homens entre si só se atenua quando os concorrentes falecem e assim consente reconhecimentos.         
       Ainda, porém, se assim é a imortalidade, “post mortem”, priva-nos da liberdade, que buscamos durante a vida e que só pareceria plena depois da morte. Seria a liberdade de poder mudar coisas e obras que realizamos em vida, a conduta cidadã e ética, enfim o que nós fomos. Jean-Paul Sartre, na sua obra Huis Clos (À Porta Fechada), trata desta liberdade: “Nous sommes touts vivants et qu’ils sont morts... qui ne cherchent même pas à changer (Nós somos todos vivos... mas, aqueles que morreram nada procurem mudar”.  O que para mim significa ao morto, mesmo na imortalidade, perder a liberdade de desejar mudanças  no que ele foi, no que falou, no que escreveu e nas consequências das  suas ações.  Neste raciocínio existencialista, o imortal seria eternamente vítima dos julgamentos e juízos que ocorrerão sobre ele e sobre suas obras, sem chance de defesa, de melhorá-las ou de, pelo menos, modificá-las. Conclui-se que tudo o que o candidato à imortalidade “post mortem” tem a fazer é tão somente em vida. 
       Se assim é o tempo desta imortalidade, privativa da liberdade de mudanças, o imortal seria, na peça teatral, nada mais nada menos prisioneiro da escuridão, sem luz e “à porta fechada”, “limitados num quarto sem porta e sem janela”.  É mais agradável se alegrar com a ideia de que, depois da vida, não se necessite mais de espaço e de tempo e que essas metáforas são apenas literárias ou comparações para se compreender melhor a mortalidade ou, quiçá, a pretensa imortalidade. Talvez, aos desapegados de vaidades, imortais em vida, o reconforto é escutar Rainer Maria Rilke: “O tempo não é uma medida. Um ano não conta, dez anos não representam nada. Ser artista não significa contar, mas crescer como a árvore que não apressa a sua seiva e resiste, serena, aos grandes ventos da primavera, sem temer que o verão possa não vir. O verão há de vir. Mas só virá para aqueles que sabem esperar, tão sossegados como se tivessem à frente  a eternidade.”

Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 18/04/2011
Alterado em 18/04/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php