Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


A Representação em Crise
 
       Nas marchas contra a corrução ou alhures, escuta-se da boca do povo generalizada decepção com aqueles que o representam, no dia a dia, da sua vida política. Esta generalização caracteriza o tamanho do descrédito, com que apenas parcialmente concordo, sob o princípio de que toda generalização é injusta. Restam sempre sementes que, se derem a elas condições, chances ou oportunidades, serão boas árvores e produzirão bons frutos. O problema mais grave é quando os bons se inibem diante da arrogância e sucesso daqueles que vêm merecendo e cultivando esse descrédito, tendo a mediocridade como régua de tipificação.
       Em “La Condición Social”, o sociólogo jurídico da Universidade de Buenos Aires, Professor Enrique Del Percio, analisa, com objetividade e profundidade, esse fenômeno através do “consumo, poder y representación en el capitalismo tardío”. Segundo Del Percio, a crise da representatividade que deveria ser bem exercida pelos políticos passa pela ótica de cinco enfoques: derivação dos novos meios de produção econômica; velocidade das mudanças no mundo contemporâneo e, consequentemente, desconhecimento do eleitorado sobre o posterior e mutável desempenho dos candidatos; maior e crescente nível educacional dos representados que lhes rendem um maior nível de informação, impondo aos “representantes” uma vexatória adequação às aspirações e demandas sociais no campo político; e, por último, as transformações provocadas pela mídia, de modo especial, pela televisão, pela informática e pela internet.   Conclui Del Percio que, diante da crise e do descrédito, pouca coisa tem mudado, a se ver continuada “la reproducción de los políticos: nada hay más parecido a un gobernante de un país que el anterior gobernante de ese país (...)” E pior, a esperada representação em adequação aos anseios populares é sempre frustrada pela “hegemonia” e pela constante reprodução da inadequada representatividade, na mesma ordem e contínua série, como se fosse a analogia, na “La Reproduction”, de Bourdieu et Passeron: do ovo do pelicano sairá sempre um outro pelicano, que por sua vez, porá novamente ovo, de onde potencialmente se formará o próximo pelicano.  E, assim, vai...
       A inadequação da representatividade se radicaliza quando se verifica que muitos desses políticos não representam o seu eleitorado ou o povo que os elegeu, mas representam claramente a si próprios e seus interesses ou, da mesma forma, um “gruppetto”, cujo poder econômico financiou sua eleição. E assim “la nave va”, e só mudará de rumo quando o eleitorado se guiar pela sua própria bússola, embora já saiba a primeira orientação da agulha de marear: o norte não mudará de lugar.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 19/10/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php