Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                 
                                   Da boa ideia, boa crônica

       Os versos de Jomar Souto o consagraram como o poeta que melhor retratou a nossa cidade; consagrados também ficaram os logradouros patrimoniais da nossa João Pessoa na poesia de Jomar. Pelo mesmo caminho, Gonzaga Rodrigues fez e se fez com suas crônicas. Quando cotejado a outros grandes cronistas do que são sobejas as nossas imprensa e literatura, a exemplo de Crispim e Francisco Pereira Nobrega, ele se destaca como quem tivesse incorporado a alma do povo, o seu modo de observar, a sua coloquial linguagem, a nossa memória, e a beleza de imagens que usa ao escrever, que, nos seus textos, dão às nossas quotidianas leituras renovado sabor.

       Gonzaga também conhece como ninguém a vida e os costumes da cidade. Vez ou outra, ele me lembra Damásio Franca, com a caderneta na mão, anotando os buracos, as flores sem água nos jardins,  as lâmpadas queimadas, os bancos quebrados das nossas praças e as necessidades de cada rua. Por isso, Gonzaga sabe até onde há livros maltratados, nas bibliotecas públicas, e reclama a saúde desses escritos. Recordo-me de que, quando assumi a Presidência da Funesc, no segundo dia dessa gestão (de 1999 a 2003), Gonzaga me levou à imensa Biblioteca do Espaço Cultural, para se queixar sobre o acervo dos jornais que jazia num canto de parede...

       Gonzaga não só se sente responsável pelas bibliotecas, mas, sobretudo pelo nosso patrimônio, que caracteriza João Pessoa a ser João Pessoa. Ele tem razão: toda cidade para ser aquela cidade deve ter uma cara que a personifica. Ao contrário disso, a cobiça imobiliária, em vez de construir em outros espaços, pretende fazê-lo em cima do histórico, apagando a memória. Quando não o derruba, descaracteriza, como numa cirurgia plástica, cisalha a cara da cidade, tornando irreconhecível a fisionomia da terceira cidade mais antiga do país. Desse contexto, guardo a recente crônica de Gonzaga “Ipase: uma boa ideia”, em que ele, seguindo anteriores apelos de Abelardo Jurema, nosso e de Gerardo Rabello, em nome dos que desejam o restauro do Centro Histórico, pede ao nosso Poder Legislativo, constituinte indispensável da Praça João Pessoa, também chamada por Ernani Sátyro e pelo povo de Praça dos Três Poderes, que use do direito de expandir a AL, não para a praia, mas ocupando o vazio prédio modernista do IPASE que, no momento, enfeia o Ponto de Cem Réis.  Feito isso, os deputados escutariam a vontade corrente dos eleitores, propiciariam aos que fazem a Assembleia Legislativa um inesquecível “Dia do Fico” e beneficiariam, com reconhecimento da cidade, à sempre desejada revitalização do Centro Histórico.  

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 18/11/2011
Alterado em 20/11/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php