Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


A Saúde Obriga
 
     Quando se perde o bom sentido das coisas, perde-se o norte do caminho; quando se perde o caminho, talvez se encontrem as coisas por acaso. Embora não se possa ser radical quanto a esse assunto, como Sócrates ao criticar os sofistas que cobravam pelas suas aulas de retórica, deve se buscar o equilíbrio, a isso algumas coisas nos obrigam.  E por isso, principalmente duas prestações de serviço que não podem ser unicamente em função do lucro: a educação e a saúde. O sentido da primeira é educar; o da segunda, curar. A educação foi tomada pela ideologia do lucro a partir do momento em que se pagou mal ao professor, nunca por causa do docente cobrar caro pelos seus serviços. Hoje, a teoria de que a humanidade se tornará um grande mercado e de que o “coaching” se estenderá a todas as áreas da vida ganham escolas e igrejas.  Essa corrida sinaliza involução, não nos entusiasma acreditar que todos os bons sentimentos humanos, até templos sagrados, resultassem unicamente nas ações de troca, de compra e venda ou num grande mercado.
 
     A educação tem sido sujeito e objeto dessa onda, em institutos e faculdades, das tesourarias escolares à grade curricular, em todos os níveis, sobretudo na  pós-graduação, pratica-se o “coaching”, prega-se o “coaching”.  Jack Welch, da GE, garante que,“no futuro, todos os líderes serão “coaches”. Quem não desenvolver essa habilidade será descartado do mercado”. E como o mundo será, segundo Jack, um mercado, significa que seremos “descartados” desse mundo. É o radical “neoliberalismo” do consentimento “livre e esclarecido” para se seguirem apenas interesses e valores de mercado, e, a qualquer custo, na competividade, não para ganhar produção, mas rentabilidade. Haverá duas categorias de gente: “profissionais e clientes”.
    
    E
sse “tsunami” atingiu a área da saúde, no momento em que se exigiu, antes do bisturi, o cheque, repassando casos de urgência do dilema “viver ou morrer” para o de “pagar ou morrer”.  Nesse sofrimento, deparamo-nos com essa extrema violência aos que não possuem cheque ou poder aquisitivo para isso. Somente a educação pública e gratuita, dever constitucional do Estado, e, no caso, a saúde pública levariam esses vexames para uma situação de equilíbrio entre os serviços públicos e particulares, cuidando, por obrigação, dos carentes de recursos através da educação gratuita aos filhos e da saúde às suas famílias.  No entanto, observamos, com tristeza, a entrega desses serviços essenciais a instituições particulares, também a título de terceirização. Tudo não passa do presságio dito por Jack Welch ou da “satanização” da coisa pública para metamorfosear o que é público no que é privado. Se for “cada um por si“ nesse grande mercado, perguntar-nos-emos: Para que Estado?  Para que Governo?

 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 24/11/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php