Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


Da Boa à Má Sentença

 
     Conto, hesitando, o quase conto “No cemitério, medo dos vivos”, omitindo choros e angústias de uma tarde fúnebre. Quinta-feira passada, durante o lançamento do livro de Flávio Tavares, lembrou-me meu amigo Palmari que deveríamos comparecer ao velório de uma amiga comum, vinda de New York, onde morava, para ser enterrada em João Pessoa. Aceitei a lembrança de bom grado. Na Missa de corpo presente, detalharam-me seus familiares que a trouxeram para um túmulo da nobre família paraibana. Com poucos conhecidos da falecida, o féretro caminhou rápido. Mas, ao aproximarmo-nos daquele santo logradouro, percebemos um estranho movimento de curiosos, entrando e saindo, com capacetes na mão, e, fora do portão, outros se comunicavam, por sinais ou celulares, ora apontando relógios, ora sinalizando maquinações para o enterro da “rica estrangeira”...  
 
     Outras coisas estranhas se seguiram, como as encenações do coveiro que, de dentro do túmulo, alto e bom som, chantageava o preço dos seus serviços de alvenaria, ameaçando deixar o caixão fora do túmulo, caso não lhe pagassem a súbita e exorbitante alteração do preço que promoveu diante de todos, destruindo a ambiência de tristeza e compenetração que requeria o rito do sepultamento. Esperava-se que a Administração daquele sepulcrário chamasse o feito à ordem, determinando que se cumprisse uma suposta tabela de preços. Temia-se que as horas passassem e, tivesse vez, no escuro, qualquer tipo de assalto, ao cochicharem que uma “rica gringa, do estrangeiro” seria enterrada na nossa província. A confusão, com gritos e insultos, se estendeu à sala da Administração que, muda,  ciente do assunto, conhecia os convidados para aquela balbúrdia.

     Para vergonha nossa e susto dos visitantes, a paz passou a ser iminência de assalto à mão armada. Enfim, escapamos, furtivamente escondendo dinheiro, celulares, relógios, pulseiras, joias; menos a defunta que, exposta, dormiu no túmulo aberto. Há tempos, o Cemitério da Boa Sentença tem reclamado a responsabilidade municipal, entregue às vicissitudes da miséria: desprezo, sujeira, baratas, túmulos abertos, ossos expostos e pela manhã, medo; ao entardecer, terror. Como o Père Lachaise, em Paris, os cemitérios demonstram o quanto são prezados os mortos...  O da Boa Sentença, jazigo de ilustres personagens da história social e política da nossa terra, sofre como tudo aquilo que, por aqui, se esquece por se encontrar “in memoriam”. Nas ruas, viver está difícil; pior é morrer num cemitério de tantas irresponsáveis violências. 

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 30/11/2011
Alterado em 30/11/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php