Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


Demolições e Tombamentos
 
         Jean Jacques Rousseau escreveu que quem primeiro cercou um pedaço da Terra e disse “isto é meu” afirmou a gente tão ingênua que acreditou nisso; estava iniciado o direito à posse de latifúndios, minifúndios, fazendas, sítios, granjas e terrenos, por que hão sofrido tantas vidas e mortes.  Ainda segundo Rousseau, isso foi despercebida imposição que não passou de uma impostura. Talvez também haja sido dito: “essa gruta é minha”, iniciando o direito a muitas moradas, a muitos imóveis; transformando-se o lar em moeda de enriquecimento. Observe-se o implícito caráter social das propriedades privadas.  Enfim, ninguém pode cercar um subconjunto do mundo e fazer dele o seu “mundinho” desvinculado do conjunto e dos seus consequentes deveres e responsabilidades.  Assim, ninguém é tão ingênuo de isentar das responsabilidades de conservação o proprietário de bem patrimonial, porque ele disse “com o que é meu, faço o que quero”.
 
         A errônea ideia de tombamento atribui, inconstitucionalmente, ao Estado a responsabilidade de substituir o proprietário na recuperação do imóvel tombado.  Ora, o Estado tomba para protegê-lo e não para empregar recursos públicos em bem privado.  A queda dos imóveis no Rio lembrou à mídia nossos edifícios e casas em relativo estado de ruína, objetos da premeditada “demolição por abandono” pelos seus proprietários. Quem são eles? O Ministério Público conhece meios de sabê-lo; as prefeituras os conhecem.  Irresponsabilidade é deixar a edificação ruir, com a chantagem de que cairá sobre nossas cabeças, para o proprietário negociar o terreno ou nele erigir mais um lucrativo espigão.    
      
        Evitam-se imposturas e desabamentos, normatizando-se multas proporcionais e crescentes, que cobrem do proprietário a recuperação do imóvel abandonado. Foi assim que Ministério Público Federal, a pedido da sociedade civil, providenciou um TAC para recuperar o Engenho Corredor de Zé Lins do Rego, o que foi apenas parcialmente cumprido. Para se acabar a “demolição por abandono”, o IPHAEP continue a registrar, em imagens, os imóveis tombados; se algum for destruído, que se libere sua reconstrução somente nas formas fotografadas e filmadas. Herdeiros usam a diatribe de que, empobrecidos, não cuidam dos seus imóveis em progressiva ruína. Ora, quem possui vacas leiteiras e não pode dar-lhes capim deve vendê-las para evitar que morram ou para não perder as vacas e o leite...

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 02/02/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php