Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


A FUGA E O ENCONTRO
 
Se a fuga é assim tão bela,
Por que o encontro?
Se fugir é assim poético,

Por que o reencontro?
Andarei rumos floridos,

Confidenciando às rosas
Os teus caminhos idos,
Sejam eles nas planícies,
Sejam eles quase abismos.
Aconselham-me os cravos,

Também o cheiro dos jasmins,
Namoro todas as orquídeas,
Beijando as flores dos jardins.
Enquanto a liberdade desejar a fuga,

Ver-te-ei nos canteiros dessas flores,
A poesia será sempre os teus gestos,
Vivos aromas desses teus amores.
 


 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 25/04/2012
Alterado em 26/04/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php