Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


Crianças Transformadas em Adultos
 
           Jean Jacques Rousseau, embora não tenha sido, segundo suas ideias, um devotado pai, filosofou que não é a natureza, mas a sociedade que transforma as crianças em adultos, imitados paulatinamente em seus vícios e virtudes. Com essa leitura rousseauniana, tenho observado nas cerimônias de casamento, horas e lugar estranhos ao mundo infantil, meninas e meninas de um, dois anos ou três anos de idade, vestidos impecavelmente como bizarros homens e sofisticadas mulheres. Essa impropriedade causa atenção e risos, às vezes até roubando a cena da entrada da noiva. Parentes se gabam: - “O meu, desse tamanho, mexe melhor no computador do que eu”; a que retrucam: - “O de lá de casa pinta miséria com o celular”.  Acho natural e extraordinário quando o porta-aliança ou pajem larga o cortejo e deita-se espontaneamente no chão da Igreja, como, naquela cerimônia de grave compromisso, estivessem faltando bonecas ou bolas de gude... Essa imposição adulta se prolonga frequentemente nos festejos familiares; no aniversário de menino, onde e quando há mais adultos do que crianças e, consequentemente, mais bebidas alcoólicas do que sucos e guaraná. Enfim, a festa parece ser mais para o pai do que para o filho.
          Sabemos que os adultos cometem crimes, delitos e não os escondem das crianças e dos adolescentes. Pelo contrário, quando não são cometidos em casa, na vizinhança ou na própria rua, a mídia mostra aos olhos infantis, sem perder algum detalhe, como se desenrolou a atrocidade, o “crime hediondo”, filmando o sangue escorrer do facão usado no esquartejamento. Também, em pormenores, como e onde se comercializam e usam drogas...  Nessas reportagens, é comum menores de idade em festanças e orgias, também como autores ou coautores do crime, muitos deles
reincidentes.

          E quando isso acontece, o adulto reclama: “Esses menores cometem crime protegidos pela benevolência da lei”; assassinam como brincassem de faroeste; e, a não valorizar a vida, praticam o assalto friamente seguido de morte.  Essa realidade tem assustado o adulto não criminoso que logo argumenta: Se tais menores praticam homicídio como os adultos, também como os adultos, legalmente devem ser tratados e punidos, repetindo o jargão: " A impunidade desenfreada tem levado muitos jovens ao mundo do crime". Mesmo favorável à modificação do ECA, há de se perguntar: Por que os jovens que já atingiram a maioridade, na qual tais delitos são puníveis, reincidem na conduta delituosa?    
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 10/05/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php