Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


A Guerra de Princesa, de Tião Lucena
 
          À medida que nos distanciamos do episódio de Princesa, a historicidade nos amadurece, amortecendo antigas adversidades. Depois de inúmeros livros sobre esse assunto, de alguns consagrados autores, como Wellington Aguiar e José Octávio, surgem outros também com coragem de registrar o que faltou dizer à história, o evitado pela conveniência do “status quo”. Maior sinal disso aconteceu, quando Abelardo Jurema Filho, sobrinho neto de João Pessoa protagonista oposto a José Pereira, foi convidado por Aloysio Pereira para coordenar o lançamento do livro “Eu e meu pai o coronel José Pereira - 1930 – O território livre de Princesa”. Aloysio Pereira, conhecedor dos cochichos da cozinha à sala de visita do seu pai; e agora, Tião Lucena, colhedor de dados genuínos, nos bate-papos de bares, de ruas da cidade sobre “A Guerra de Princesa”.

          O livro de Tião é de uma linguagem coloquial e agradável, é de se ler num fôlego sem cansaço, ao alimentar uma curiosidade intensa.  Pinço, para se esclarecer o estilo, a página 35:“ Começa a guerra –  O tenente Arruda caminhava apressado para a casa do Coronel Zé Pereira, levando um papel na mão. Não respondeu ao bom-dia do velho Feliciano e não comprou a tapioca de Bilica como fazia todas as manhãs.(...) Encontrou o coronel saindo de casa para o telégrafo. O assunto era urgente e não quis arrodear:  - Coronel, acabo de receber um rádio da estação oficial da polícia, dizendo-me que está a caminho de Princesa, transportando-se em caminhão, uma força policial de 50 homens. E como sei que o senhor vai revidar, quero saber o que vou fazer com os meus soldados. - Fique tranquilo,Tenente, que nada lhe acontecerá . Mas telegrafe ao seu comandante, informando a ele que eu acho muito pequena a força que está marchando contra Princesa – respondeu-lhe Zé Pereira . O coronel Zé Pereira saíra de casa pra telegrafar a João Pessoa, que se encontrava em Cajazeiras...” Nesse texto, a leitura subjacente pode observar: No interior, o correio procurava o destinatário onde ele estivesse e o destinatário, a mensagem; a autoridade de Zé Pereira sobre o destacamento policial local; quanto o tenente e a população sabiam de Zé Pereira e  das suas eventuais reações; a ironia do Coronel sobre as tropas a caminho de Princesa; a correção do Coronel Zé Pereira em relação aos soldados do Estado no destacamento da cidade e sobretudo sua lhaneza com o representante dos seus inimigos, cercados pelos muros do seu reinado.

           O autor vai além, detalhando desencontros, entreveros, desentendimentos políticos entre João Pessoa e José Pereira, até batalhas entre pessoas da mesma cidadania, conterrâneos da mesma Paraíba. Prefacio assim “Roteiro da Coluna Prestes”, de Coriolano Dias de Sá: Muitas vezes, as nossas terras foram pisadas por pés de batalha: poucas perdidas, muitas vencidas. Mas quanto ao de Tião Lucena, acrescentaria: Na Guerra de Princesa, todos venceram, todos perderam; somente a história ganhou, somente o povo saiu vitorioso...
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 26/10/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php