Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                                      Cartas, selos e lembranças
          
          Encontrei uma caixa de sapato cheia de cartas, há anos recebidas, e de selos usados; perto, a balancinha de pesar cartas quando morava longe de casa, no outro lado do mundo. Lembrei-me da boa sensação de abrir o envelope, deitado no chão ou numa rede; dos amigos e das amigas que me escreveram do outro lado das águas. Imaginei a carta numa garrafa, jogada no mar, navegando para longe, talvez a um desconhecido destinatário, sem direito ao carimbo “devolva-se ao remetente”. Assim, também se escrevia ao homem ou à mulher, ao velho ou à criança, ao pescador ou ao poeta; aos marinheiros que deixavam namoradas nos cais acostáveis da conquista; talvez a quem encontrasse esse envelope de vidro, boiando nas ondas, ao lado do barco, sobrevivendo nas águas salgadas, entregue ao destino ou rolando, pra cima e pra baixo, na areia da praia; conservada pelo sal, descoberta pelo brilho do sol ou da lua, mas tendo como destino o acaso.

          Hoje, carta anda em desuso, mesmo ainda existindo pessoas amadas e amantes, espera-se em vão o grito do carteiro. Exceções dadas às publicidades, pedidos de voto, cobranças, cartas de banco ou de intimações judiciárias. Não se escrevem mais palavras desinteressadas de amizade como era no passado. A pressa, ocupações insignificantes forçaram-nos à linguagem telegráfica do e-mail, às mensagens telefônicas, sintéticas ou à voz metálica do robô; criam-se abreviações de um idioma mal falado, sem pontuação, concordâncias e beleza literária. Lamentavelmente, morre a carta e parem miúdos pedaços de efêmero recado.

          A carta, com notícias, é esmagada pelos noticiários televisivos. Acabaram-se as cartas que substituíam a coragem de manifestar pessoalmente a paixão, de desfazer solidão ou de revelar confissões.  A carta fetiche, beijada no lugar do amante; a carta lida, relida, que dormia debaixo do travesseiro e, de manhã, era guardada numa pequena caixa, sob sete chaves. Já vimos carta amassada por carinhos e abraços, borrada por lágrimas, e também devolvida, após o namoro que acabou. As mulheres, mais do que os homens, preferem, aos gestos galanteadores, palavras no ritual da sedução,  carta de compromisso, de declaração escrita, repetidamente proporcionando-lhes fascínio e prazer. Observo que o romantismo está em extinção; e, com isso, desaparecem as cartas para dar lugar aos diálogos virtuais. Com o fim da carta, some parte dos romances e das poesias. Que as cartas continuem vivas, mesmo que atiradas à imensidão do oceano.
         


 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 15/08/2014
Alterado em 15/08/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php