Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                                Utopia do bom político

          Os exegetas hão de confirmar que a criação do mundo, aquela no Gênesis, diferencia-se das escritas pelos evolucionistas, até mesmo pelo jesuíta, da ordem do Papa Francisco, teólogo francês, filósofo e paleontólogo Pierre Teilhard de Chardin. Contudo, em todas essas teorias, Deus teria agido, porém não criado uma cidade para o homem e para a mulher. Na ação divina, mesmo nas impercebíveis, há sempre uma mensagem: Deus criou um jardim para o homem e a mulher admirarem as flores e as flores para exalarem perfume e beleza. Ou criou, nesse jardim, um pomar de peras, abacaxis, pêssegos, jacas, uvas, mangas e laranjas para suas criaturas usufruírem o prazer de comê-las. Nesses sete dias, não fez o economista, o comerciante, nem tampouco o político; criou o jardineiro e, para o pomar, o agricultor: profissões sagradas. Por isso, quando se assassina um agricultor, como Pedro Teixeira, ou uma agricultora, como Margarida Alves, mata-se a natureza três vezes: as criaturas, as flores e os frutos. Mas, nunca as sementes...
          Os homens, expulsos desse jardim, criaram a cidade, a “polis”, e para dirigi-la, fizeram-se políticos, estereotipando-se sucessivamente nos filhos, netos, bisnetos, e na sua geração, a transformar essa função em profissão, em herança, daí o pecado...  Ser político é vocação, além de cidadão da “civitas”, é servir à “polis”,  à organização e à felicidade do povo. Hoje, inverte-se: o político “se arruma”, ao fazer da política seu meio de vida, procurando seu bem estar, e não, o bem comum. O político deveria ser como o jardineiro ou o agricultor da cidade, fazendo da política uma plantação da “arte aplicada às coisas públicas”. Assim nasceriam outras coisas boas, uma cidade organizada, verde e feliz. Seriam os políticos, segundo Platão, “possuidores do nada”, sem cobiça, para cuidar dos bens coletivos.
        Utopia? O bom político, como Thomas Morus, precisa de utopia, é ela o seu dínamo e o motor do bem comum...  Com dedicação e tempo para isso; quem pensa somente em si não tem tempo  para trabalhar para os outros. Eis o perfil do bom político para eleição. Hoje, essas qualidades parecem utópicas. Mas, aqui e acolá, aparecem boas intenções e alguém tentando ser jardineiro ou agricultor para plantar na cidade, como ela fosse um belo e feliz jardim. Utopia? Sim!  Um jardim precisa de utopia/ De pássaros/ Flores e borboletas/ Suportar alguma dor/ Fantasiar a felicidade/ E doçura às abelhas...  
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 11/09/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php