Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


Centenário, uma só vez...
 
              Em 1991, a Professora Onelice Medeiros e o então Prefeito de Itabaiana, Sebastião de Oliveira, no Centro de Educação da UFPB, onde era Diretor, convidaram-me para organizar o Centenário dessa cidade. Aceitei o encargo por inúmeros motivos; o principal: voltar ao meu passado, às ruas e aos becos por onde vivenciei parte da minha vida de menino; e, como o peixe do “riacho do navio” gonzaguiano, sair do mar ao contrário do rio, voltar às origens, nadando contra desafios, para encher um mês de eventos e comemorações. Uma das compensações: encontrei na Comissão Organizadora o jovem Jessier Quirino que sugeria arquitetura e arte para tudo que se planejava; e humor às horas de refeições, humor esse que depois se revelou nos palcos do país.
         Outro proveito: aprender a valorizar o centenário como soma expressiva, no tempo, de valiosas circunstâncias. Assim, desde que assumimos a Presidência da Academia Paraibana de Letras, tratamos com interesse os centenários dos imortais da APL. Mas foi em Itabaiana, pronunciando discurso, em que disse aos meus conterrâneos: Centenário de uma cidade ou de um cidadão só se comemora uma vez na vida. Todos balançaram a cabeça, reconhecendo que ninguém alcança tais festejos duas vezes. Daí, os possíveis serem preciosos e imperdíveis, como o centenário da vetusta Itabaiana e, na APL, o centenário do itabaianense e acadêmico Abelardo Jurema...
         O próximo 12 de novembro será dia do centenário da morte de Augusto dos Anjos, comemorado, na APL, com a inauguração da estátua doada pela Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho. Idealizamos a estátua, animado por Gonzaga e Carlos Aranha ao reclamarem poucos reconhecimentos, na Paraíba, ao nosso poeta maior. Agradecemos também a Fernando Milanez Filho por nos ter indicado Marcelo Silveira da Rocha, então Presidente da Energisa, para objetivar recursos à querida escultura, de J Maciel. Antes do dia 12, o Vice Presidente Luiz Gonzaga Rodrigues, o Diretor Itapuan Botto Targino e eu iremos, em nome da APL, manifestar gratidão à Leopoldina (MG) pelo bem que seus filhos quiseram e querem a Augusto dos Anjos.  Comemoraremos um mesmo centenário duas vezes: em João Pessoa e em Leopoldina onde Augusto dos Anjos morou os últimos dias de vida, onde se sepultou, ao lado de Ormeo Junqueira, patriarca da família que apoiou Augusto dos Anjos nas dificuldades e para que ele fosse Diretor e Professor da Escola Ribeiro Junqueira, talvez, além de poeta, seu despretensioso sonho.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 05/11/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php