Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos




                          A cidade e semáforo


          Há cidades quase sem trânsito, circula-se sem semáforo;  nenhum movimento nas ruas. Descansam cachorros na praça ou deitados nas calçadas; bichos pastam em terrenos  descampados; jumentos, a passos lentos ou parados, são  indiferentes ao que se chama “o meio da rua”. Vê-se pouca gente fora de casa. Contudo, é cidade com prefeito, vereadores, delegado, juiz e vigário. Mas, sem semáforo. Noutras maiores, nas  ruas calçadas, circulam umas dezenas de veículos. É exatamente nessas em que exigem o sinal de trânsito como sinal de crescimento e orgulho dos seus habitantes. Mesmo nessas, muitas vezes durante o dia, o sinal vermelho acende e não surge carro para parar; volta o verde e não aparece automóvel para passar.
          Lembro-me do candidato à prefeitura, cuja meta era instalar um semáforo "para o progresso da cidade"... Ora, havia a encruzilhada. Logo,  justificava o edil necessidade de um sinaleiro no cruzamento das duas ruas. Eleito, cumpriu a promessa. O sinal, quando fechava, jamais causou estresse aos motoristas; sorridentes, nunca se mostravam  vexados. Pelo contrário, gostavam quando eram barrados pelo sinal vermelho. Contradições urbanas...

         Nas cidades crescidas, evitam-se sinais de trânsito como causadores de  estresse; somos instruídos a não passar imprensados entre o amarelo e o vermelho; e tampouco ultrapassar o sinal, nem obstruir a avenida. E haja multas ou motoristas raivosos esmurrando a direção; enfrentam-se, pela janela do carro, propagandas de edifícios e condomínios; oferta d'água de coco, de mangas ou de feijão verde. Vez ou outra, cordas impedem  a passagem, pedindo-se dinheiro à excursão de concluintes ou paciência à causa dos “sem terra”. É ponto também de esmolas. Demorar ali ocasiona violências, assaltos ou sequestros. Como, em Tivoli, preferia Horácio: “Bem melhor é a vida no campo”, onde tudo é verde, sem outros  sinais... 

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 16/10/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php