Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                  A  dignidade dos nossos representantes

           Antes do século XIII, a concepção de dignidade (dignitas) era atrelada à função ou ao cargo público. De modo que se alguém recebesse do rei o título de conde, diriam que o designado teria sido elevado à dignidade de conde. Nesse sentido, a nobreza, que sempre ocupava essas funções, era considerada uma plêiade de "homens dignos", e disso os nobres gozavam consequências "jurídicas"... Mas, esses, de tanto não merecerem tais atributos e direitos , desmancharam e perderam a dignidade da "dignidade", termo que ganhou nova definição: Dignidade tem aquele que merece respeito, mesmo sem poder e  sem ofício (officium), quem do povo observa a ética , nas suas simples profissões e atividades quotidianas com dignos procedimentos.
          A dignidade passou a ser atrelada à ética. Antes, passava-se a dignidade  do antecessor ao sucessor que iria usufruir da dignidade hierárquica. Na nova definição, ela se tornou intransferível, inalienável de quem a conquistou pela sua corajosa  conduta. Daí, no conceito  de pessoa (persona), o caráter pessoal da dignidade terminou sendo supervalorizado por força do Humanismo e do Personalismo, no sintagma: Dignidade da e à pessoa humana, a todos, aos mais simples, até aos injustiçados sem direitos humanos. Isso deveria moralizar o serviço público e os políticos que ainda se servem da função de modo indigno...
          Os nossos representantes foram, numa linguagem anacrônica, elevados à dignidade de deputados e senadores pelo voto do povo...  Sem generalização, ao mancharem a dignidade da função, qual outra dignidade lhes restaria? Depois que se formou, na ética, o conceito de dignidade contra comportamentos  desonestos, corruptos e desleais, tais políticos em nada representam cidadãs e cidadãos de bem, querentes do bem comum e desejosos de dignidade, liberdade e democracia.  
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 15/04/2016
Alterado em 16/04/2016

Música: Frédéric Chopin - Noturno - choppin

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php