Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                   Ressurreição aos que não viram

          Ninguém pensa mais sobre a morte do que o vivo. Dever-se-ia meditar sobre a ressurreição; ora, os mortos não precisam disso, mas os que vivem, pelo menos, poderiam combinar pensamentos sobre o que fariam, se tivessem pouco tempo de vida, já que todos acham a vida muito curta...  Especialmente sobre a ressurreição como retorno à vida infinitamente melhor do que a que se tem. Porém, com dias contados, relevam-se prazeres, últimos desejos: Viajar por maravilhas ainda não vistas ou pelas vistas para se  reviverem recordações; escutar músicas dos velhos tempos ou as clássicas parecidas com as celestiais; pescar e soltar o peixe; usufruir o carpe diem antes que o dia se acabe; e amar mais. Talvez finais exigências: Féretro sem cortejo ou preferir enterro à cremação . Contudo, na Semana Santa, aos sãos ou enfermos, é tempo de Páscoa.
         Jesus Cristo, na certeza que morreria e ressuscitaria, falou-nos ricas revelações. Paulo de Tarso adverte: Não é cristão quem nega que Jesus ressuscitou. O que aconteceu àqueles que O seguiam, taxando de “visionárias” as mulheres que, ao  visitarem o túmulo, teriam escutado de um anjo: “Não temais! Sei que estais procurando a Jesus, o crucificado. Ele não está aqui, ressuscitou, conforme havia dito... Ide contar aos discípulos que Ele ressuscitou dos mortos. Elas partindo depressa, com temor e alegria, correram a anunciá-lo aos seus discípulos” (
Mt 28, 5 - 8). 
          É compreensível que o recado passado aos discípulos lhes tenha provocado pouca fé, assim acontece conosco, ao se considerar tal mensagem fantasiosa. Mas Jesus surpreende: Perdoou a rudeza daqueles pescadores, passou pela porta fechada e se apresentou a eles; ausente estava Tomé que exigiu tocar nas feridas do crucificado para crer. Dias após, reaparece Jesus e desfaz o ceticismo de Tomé: “Põe teu dedo aqui nas minhas chagas e vê minhas mãos! (...) Não sejas incrédulo, mas crê! (...) Creste porque viste. Felizes os que não viram e creram!” (
Jo 20, 19 - 29). Nós não vimos, mas podemos crer...
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 06/04/2017
Alterado em 07/04/2017

Música: 07-Sinfonia nº 3 Brahms - Desconhecido

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php