Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                 Cristovam Tadeu no Dia da Criação

          O poeta Vinicius de Moraes, mestre da boemia como Tadeu, diz e rediz, desde 1946, em versos, como se fossem uma jaculatória de ladainha, que tudo que aconteceu ontem foi porque era sábado. Até "(...) Os bares repletos de homens vazios, / Todos os namorados de mãos entrelaçadas, / Todos os maridos funcionando regularmente, / Todas as mulheres atentas"; e continua: "(...) Há um casamento / Há um divórcio e um violamento / Porque hoje é sábado ".
          "Impossível fugir a essa realidade", num sábado morreu Cristovam Tadeu porque era sábado.  Luana, sua jovem filha, estranhou  não ter ele se acordado cedo como em todas as manhãs, e continuado pesado sono, dormindo e transformando domingo, segunda, terça, quarta, quinta e sexta num só dia; tudo tinha virado sábado, só sábados sem necessidade de contar o tempo em horas, sem denominar os outros dias. Mas contradizendo o poema: As mulheres, que tanto lhe prestavam atenções, não estavam atentas ao que, na sua cama, ocorria; com certeza, tentariam acordá-lo e não deixá-lo dormindo para amá-lo. Encontrariam pretextos, haveria compromissos na Rádio Tabajara, algum show ou  teatro infantil no Santa Roza. Na certeza que ele se acordaria, desatentas, deixaram que ele descansasse...
          Seguiu-se o poema, tinha ele iniciado "um espetáculo de gala" porque era sábado; sem intermezzo, mais longo do que óperas; dramático, trágico: O protagonista Tadeu, que sempre nos fazia sorrir, deixou-nos chorando. Enfim, diante de seduzidos e seduzidas, Cristovam assumiu o papel de  "um sedutor que tomba morto (...)/ Há uma tensão inusitada", exatamente após a sexta-feira. No velório, "(...) damas de todas as classes, / Umas difíceis, outras fáceis", entre homens com e sem qualidades, viram, sem perspectiva de domingo, um fim da criação, Cristovam partindo e imitando o Criador ressurgente. Morreu porque era sábado, se fosse Domingo de Páscoa, como hoje, teria apenas ressuscitado...
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 11/04/2017
Alterado em 12/04/2017

Música: Funeral March - Frederic Chopin

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php