Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                         
                                        Flávio Colaço

           Quando ele chegou de Roma, mesmo depois de ter comido tanta massa na Itália, pesava como qualquer franzino, alto, delgado, ectomorfo: Característica corporal de intelectualidade. Modesto, escondia-se por trás das lentes de vidro transparentes que nos deixavam enxergar seu raro sorriso, suas poucas palavras, e sua fisionomia plácida e sincera. Manso, dessas poucas palavras nenhuma pronunciada fora do polido tom, sempre reconfirmando um homem cortês e civilizado. Contudo uma pessoa simples, demonstrando simplicidade ser fundamental à amizade e ao confortável relacionamento humano.
          O Reitor do Seminário logo o designou à docência; aos maiores para explicar as regras do Direito Canônico; aos menores, as regras da gramática. Ensinou-nos, com paciência, redigir, inventar imagens, mas sobretudo não desvirtuar o idioma pátrio. Tinha obsessão em colocar  ponto no seu devido lugar, sobretudo a vírgula que se dividia , uma vez ou outra, com o ponto e vírgula. Tenho na memória que orientava, nas nossas redações, evitarmos a repetição da interrogação. Pois, usava uma linguagem afirmativa, de certeza, quando não, de fé. Agora, trasladou-se para outra cidadania, cuja cidade se vislumbra diante das suas tantas exclamações.
          Meticuloso em tudo que fazia, naquilo que escrevia. Uma escritura que buscava a verdade, oferecida a todos, porque lhe importavam a substância e a universalidade das coisas, numa arte que propiciasse comunhão. Meu professor, meu companheiro de ensino na Universidade, meu vizinho e meu amigo. Recentemente, eu e Gonzaga Rodrigues o visitamos no Hospital, mesmo sofrendo, ele nos ofereceu um franco e largo sorriso que preservou até os derradeiros momentos da visita. Agora morreu, voltou à serenidade e à indisfarçável circunspecção trazida de Roma. Sobre suas potencialidades, concluo que, sendo a vida tão curta, o homem não é apenas aquele que foi, mas sobretudo o que poderia ter sido; morreu, agora, ele é perfeitamente completo...    



 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 21/04/2017
Alterado em 21/04/2017

Música: Concerto for piano and orchestra - Chopin

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php