Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



Mi Buenos Aires querido
 
          Antes de um plano, de um livro, de um poema ou de um tango, nasceu a cidade, num longo parto, conturbado por atropelos e lutas dos nativos contra os espanhóis que invadiram aquelas terras, pelas águas do Rio de la Plata. Cresceu a vila atravessando duas fundações e, já cidade, também o período colonial, o vice-reinado, a independência, a guerra civil, a proclamação e a histórica implantação da República. Durante a República, los queridos porteños não  sofreram tantas dificuldades socioeconômicas como, depois, os cruéis, sucessivos e violentos golpes políticos com suas prisões, torturas e falta de liberdade, o que, nos dias de hoje, parece ter se tornado vigilante antídoto, nas escolas, nas universidades e na cidadania, contra novas tentativas golpistas, características de fatais enfermidades da democracia na América Latina.
          Buenos Aires ostenta expressiva cultura. Tive o prazer de perceber isso, quando frequentei a belíssima Universidad de Buenos Aires (UBA), ladeada pela Floraris Generica, do arquiteto argentino Eduardo Catalana; a UBA é reconhecida como uma escola de professores, filósofos e jurisconsultos de renome; também compreendi isso nas vozes da rua, nas mesas dos restaurantes e bares, circundadas  por exaltadas opiniões sobre política, futebol, arte e assuntos literários; ou até, de surpresa, num táxi onde o motorista me esperava ouvindo uma ópera... Comparando a Argentina com países vizinhos, por lá, a educação muito se esforçou para dizimar o analfabetismo; e isso se indicava pela abundância de sortidas livrarias nas suas portentosas calles.
          O operoso Governo do Estado da Paraíba, de modo planejado, inaugura, com a empresa Gol, um voo internacional, que promete regularidade e conforto de viagem, entre essas lindas cidades: João Pessoa e Buenos Aires; e, conforme esperançosos bons resultados, duplicar ou triplicar esses voos. Hoje, primeiro de julho de 2017, sou um dos passageiros, a um seminário onde se cultivam ricas sementes, bosques de altivas árvores e prazerosos frutos. Assim João Pessoa deseja Buenos Aires: Mais perto do que distante, mais querido do que querido.
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 30/06/2017
Alterado em 30/06/2017

Música: Diamante - Classical

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php