Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                   
 Ronaldo Nunes Mendonça
 
           O amigo Ronaldo, que se dizia meu primo por causa dos Nunes de "seu" Nen, casado com minha tia Zefinha, e assíduo leitor das minhas crônicas, depois de fazer o check-in , inesperadamente, numa súbita decisão que nem ele sabia, caiu no chão do aeroporto, em São Paulo, para partir num voo de infinitas alturas, alarmando os que não puderam acompanhá-lo. Morreu com saúde, não sofreu para morrer, saiu para a morte que tanto evitou nos outros, cuidando do nosso bem estar, sempre com voz mansa, com ininterrupto e largo sorriso.
           Alegria que se alargava, ao desfrutar, à mesa com os amigos, um bom vinho ou agregando-os numa mesma estrada. Após tantos congraçamentos, não se desligava das amizades, numa convivência agradável e disputada. Segundo os que o cercavam, como Manuel Jaime e Ricardo Maia, era  Ronaldo uma pessoa de  muita coerência com a vida ou numa vida de muita coerência, a serviço de quem dele necessitasse; exaltava a beleza da vida, tudo fazendo para que todos vivessem. Mas, enfim, a viagem e o caminho têm um sentido...
          De repente, ele, que tratava nossos pés indispostos ao caminho, teve seu coração em arritmia, porém, não parando de amar, apenas acelerando-se para voar. Penso que as almas bondosas são leves, desprovidas de matéria, voam como a energia etérea, atravessam galáxias, sendo mais rápidas do que naves alienígenas, velozes como o pensamento. Ronaldo, hoje, é alma e pensamento. Recorro aos versos da Ópera Nabuco, de Verdi, o desejo dos escravos aprisionados, rogando ao pensamento que se liberte voando alto, além dos montes. E assim falo a Ronaldo que, agora pensamento, vá além dos mares e dos céus: "Vá, pensamento, sobre as asas douradas,/ Vá e pousa sobre as encostas e as colinas,/ Onde os ares são tépidos e macios,/ Com a doce fragrância do solo natal (...)/ Oh! Minha pátria tão bela e perdida,/ Oh! Lembrança tão cara e fatal,/ Harpa dourada de desígnios fatídicos,/ Por que, você, a ausência da terra querida?/ Reacende a memória no nosso peito,/ Fale-nos do tempo que passou!(...) / Para suportar o nosso sofrimento."

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 28/07/2017
Alterado em 30/07/2017

Música: Concerto for piano and orchestra2 - Chopin

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php