Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                E a idade avança

          Há vantagens com esse avanço: as experiências aumentam e o medo diminui quando é para enfrentar novas experiências; e também a proximidade do fim nos traz uma aguçada lucidez para se rever o que aconteceu antes dele. São lições aprendidas e ditas por aqueles que pensam, por aqueles que escrevem seus pensamentos. Sem deixar de lado o que herdamos na cultura, acontece também a criatividade renovadora, mesmo que seja como a teoria de se pintar “o cinza sobre o cinza”, sucede a sensação que algo de novo foi feito e que alguma coisa a mais foi compreendida, sem comprometer a espontânea necessidade das metamorfoses; o dialético Hegel teorizou essas transformações. E assim, ao se dizer “a idade avança” é o mesmo que repetir que “la nave va”.
          Nessa navegação, que não se adquira a coragem refletindo que não se tem mais nada a perder, porque sentir algum medo é necessário para que não se abandone, de uma vez, a prudência, o que nunca deixou de ser virtude. Mesmo em palavras verdadeiras de um moribundo, já no leito da morte, quando nada mais resta do tempo da vida, escutam-se palavras de prudência. Albert Camus teatraliza o homem que se preparou para dizer suas últimas palavras, mas as esqueceu, no momento de dizê-las. Balbuciou apenas, mas todos o entenderam... O que se contrapõe à criança que tenta dizer o que pensa, mas não tem ainda aprendido as palavras adequadas àquelas idéias; sua esperança é que a idade avance. E por que parar de avançar?
          A idade avançada nos dá novas visões da realidade, e é isso que nega a preferência aos músculos a se ter novos olhos, o que propicia vermos coisas que não tínhamos visto. A velhice assombra ao se ver o que mostra por fora, mas poucos observam o que ela proporciona por dentro... São valores perdidos no mundo do utilitarismo, da produção e do lucro. Quando Ariano Suassuna era sexagenário, consegui lhe dizer que ele tinha 20 anos. Ele riu, agradeceu e certamente ficou rezando “Deus te ouça”, porque seu corpo não lhe confirmava essa idade, sentia que a idade tinha avançado, o que lhe dava, contudo, um efeito sapiencial. E isso inicia, logo quando o saber adquirido não cabe dentro do tempo. Nesse sentido, a idade avança sem perdas a serem lamentadas.

       
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 24/01/2019
Alterado em 26/01/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php