Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


             Soterrando o operário em construção
 
          Escutamos o prenúncio do trágico desastre humano e ambiental da Usina do Vale do Rio Doce, em Brumadinho (MG). Tudo já estava avisado, em muitos e tantos textos literários, denunciativos da supremacia do lucro sobre a segurança da vida humana. Estava recitado na poesia de Vinicius de Moraes: “Operário em construção”; cantado em “Construção”, de Chico Buarque. Tais poetas dizem como acontece aos trabalhadores: ajudam a lucrarem, mas desprotegidos, voando, caem dos espigões no asfalto, “atrapalhando o trânsito”.
          Telefonou- me o amigo François Rosendo Rodrigues: “tragédia contra a vida não merece silêncio”. Deve ser denunciada pela fala, pela canção, pela poesia, enfim pela arte. Os artistas, tão sensíveis à manifestação do que é belo, devem também sensibilidade para enxergar as injustiças do quotidiano no mundo do trabalho. Sei que a arte, quando grita no lugar dos que são calados, incomoda. Mas essa é sua função social, inclusive de quem escreve.
          A lama matou Miraí em 2007; voltou a matar Mariana em 2015; e como nada temesse, voltou a atacar agora, em 2019, Brumadinho, escorregando de montanha abaixo como uma enorme serpente, derrubando as casas como um tsunami; sufocando todas as idades, famílias inteiras, das crianças aos velhos desprevenidos. Esquecer o que repetidamente ocorreu contra a vida significa perder de vista, abrir mão para que tudo volte a acontecer, como se fizéssemos parte de um país de gente que tenta escapar de cair, porém correndo em direção ao abismo. Recorda-nos o poeta T. S. Eliot: “Num país de fugitivos, aquele que anda na direção contrária parece estar fugindo” ... Proximamente, de onde partirá a lama que nos persegue? Tudo aquilo é lama ou apenas lama é o seu nome? Ela gosta de repetir aquilo de que gosta, mas por que tolerar a repetição daquilo que nos trucida?  De novo, a lama desliza matando; visita da sala à cozinha; volta à terra já visitada, tocando, palmo a palmo, os mesmos lugares, insultando a prudência e a previdência dos que se cuidam; sem coração, soltando o prazer da repetição e o mal cheiro pelos mesmos ares.  

 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 31/01/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php