Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                         A nova carótida de Wills

          Wills Leal sempre se mostrou muito grande, longilíneo; nele tudo é delgado, e por isso mesmo seu pescoço é alongado, assim precisando de uma artéria carótida mais comprida, “livre e desimpedida”. Meses atrás andou reclamando da visão, caminhando segurando nos braços dos amigos; quem sabe isso não seria em razão da obstrução dessa artéria. Pus curiosidade no assunto ao Dr Astenio César Fernandes que, prudentemente, respondeu: “É possível, é possível...“ Melhorou, e quem sabe, agora, fique completamente curado da vista e ganhe energia para subir a pequena escada do Cineclube Logos & Imagem, da Academia Paraibana de Letras. O inquieto Wills inventou o Bode Rei e se tornou pedra angular da Roliude Nordestina, em Cabaceiras de Juarez Farias...
          Ultimamente, Wills vinha com uma psicose, nome do filme que ele adora, só falando de saúde e coçando o pescoço, até que que foi pego por um diagnóstico mais invasivo: anular, com um stent, uma placa de gordura que impedia, em 90%, seu sangue passar dos seus distantes pés até sua alta cabeça. Assim aceitou que esse stent liberasse tal passagem a uma melhor irrigação do cérebro e do seu sistema ocular. Os cinéfilos torcem que logo o Dr. Waldir Delmiro Neves o libere para ele subir a única e curta escada do cinema, na APL.
          Hoje, quase todos os problemas cardiológicos se resolvem com revascularização e perda de peso. Não só aqui, garante o Dr. Gustavo Ithamar Souto Maior que, em Campina Grande, há meses, tem também uma Hemodinamica Artis – Zee Floor, da Siemens, top line, que vê tudo por dentro da gente com altíssima resolução e precisão; passa por qualquer buraco ou espessura e vai longe para escolher onde colocar um salvador “stent biológico”. Só sei que, lá na janela do Cabo Branco, Wills é pego cantando loas, elogiando tal intervenção, “minimamente invasiva e boa demais”, que se sente “um outro homem”, aconselhando-nos a também cuidar da nossa carótida. Não o provoque com indagações, pois, de pronto, reza sua jaculatória: “Foi coisa de cinema, coisa de cinema”.      

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 21/02/2019
Alterado em 21/02/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php