Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                     As muriçocas se afastam do mar


          As águas do Rio Sanhauá fazem bem às muriçocas e agradam sobretudo aos maruins que, mesmo menores, aperreiam muito mais com suas picadas. Miudinhos, silenciosos, sem algum zumbido, alastram-se de Bayeux à Praia do Jacaré. As muriçocas, zumbindo ou caladas, voaram em bando, passando pela Lagoa, pras bandas de Miramar. E lá se instalaram, como tivessem encontrado seu habitat; protegeram-se dos inseticidas e, depois de tantos carnavais, chupando o sangue dos seresteiros e das seresteiras, nas noites de luar, entraram nas suas veias e aprenderam a bailar pelas ruas, entre namoradas e namorados, com boêmias e boêmios, tornaram-se, sem distinção, com hino e estandarte, o Bloco das Muriçocas, “de que tanto tem se ocupado a imprensa”.
          Das multidões enfurnadas em sua pequena Praça, foliões começaram, de ladeira abaixo, a tomar caminho para o mar. Depois de caminharem distâncias, de vencerem passos e tropeços, decidiram não enfrentar as salgadas ondas e subiram a ladeira de volta ao seu bairro, como aquelas estreitas ruas de Miramar fossem a sua casa. O “ninguém se perde na volta”, de José Américo, também vale às muriçocas; mesmo elas tendo aguçado faro que descobre, de longe e na escuridão, qualquer pele nua, especialmente a das delicadas pernas das bailarinas, brilhosas, coloridas, cheirosas, fazendo do Bloco, naquela circunstância, “O Grande Circo Místico”, do poeta Jorge de Lima, fantasiado, recitando a admiração e o prazer da plateia foliã “bisar coxas, bisar seios, bisar sovacos” (...).
          O tempo muda os homens e as mulheres ou são esses que fazem o tempo mudar e, nele, suas músicas e suas danças? Mudam inclusive os seus espaços e suas alegrias. O Bloco das Muriçocas está desejando voltar às origens; a valorizar os papangus, as la ursas e os passos do samba e do frevo sem correria, sem espalhafates nas alegorias, num carnaval mais carnaval, que produza menos despesas e desperte mais alegria do que medo. Aliás, sobre aqueles que não se alegram e não param para dançar “muito pouco se tem ocupado a imprensa”.


 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 28/02/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php